quarta-feira, 12 de maio de 2010

Pocahontas

Quando eu estava no cursinho preparatório pro vestibular meus professores discursavam muitas vezes sobre o imperialismo no mundo, sobre os Estados Unidos, sobre primeiro mundo, globalização, fome..… e a lista aqui é imensa de assuntos polêmicos e da moda.

Curiosamente a Walt Disney entrou no rolo por vezes.

Uns professores falavam que nos desenhos havia imagens de preconceito, embutido em símbolos escondidos ou que mandavam mensagens negativas, de terror e por ai vai.

Se é verdade eu não sei, porém creio que muito do que se fala é fruto de pura especulação.

Desculpem-me aqueles que pensam que tudo que vem dos Estados Unidos não presta ou oprime, mas eu sinceramente acho que podemos e devemos obter o bom de todos que oferem o bom! E o que não nos agrada, devemos afastar.

Eu sou fã dos desenhos da Disney, acho a maioria sensacional, bem produzido, ótimas imagens e muitas vezes a mensagem direta, sem estar escondida em símbolos de terror ou seja lá o que mais, é bonita e fala de respeito, fala da natureza, fala da amizade entre todos.

Coloquei aqui um vídeo do desenho Pocahontas...é aquela coisa: brancos x “selvagens” x colonização...mas vale a pena, a mensagem é boa e a música é maravilhosa!


video

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Duas histórias de amor




Este cãozinho que estão vendo é o Chico e dedicarei este post a falar dele.

Dizem que quando casamos precisamos estar preparados para receber tudo que vem junto no pacote: amigo palmeirense do marido, família do marido, mãe do marido...e no meu caso: o cão do marido!

O Chico foi adotado em uma feira de doação de cães quando ainda era bem filhotinho e na república do Daniel viveu até que casamos.

Este post conta duas histórias de amor: a minha e a do Chico!

Quando resgatei a Pipoca eu já namorava o Daniel que já tinha o Chico!

Logo nos primeiros dias que ela estava em minha casa eu a levei para conhecer o Chico e foi amor a primeira vista! Foi incrível ver como eles se pareciam com amigos de infância e se davam bem!

Porém, esta linda amizade também gerou problemas! A Pipoca pulava um alto muro de minha casa, atravessava um cruzamento voando, pulava o muro da casa da vizinha do Daniel e então pulava para o jardim da casa do Daniel para brincar com o Chico.

Um dia resolvi levá-la para a casa de minha mãe, que sempre segura à bronca com os animais que resgatamos, por não saber o que fazer para ela ficar no perímetro de minha casa.

Ela já estava causando problemas para o Daniel com a senhora vizinha dele, ela poderia ser atropelada no cruzamento ou simplesmente fazer outro caminho e se perder....

Felizmente não deu certo de ela ficar na casa de minha mãe e a solução foi meu irmão me ajudar a colocar uma cerca para aumentar o muro!

Toda vez que a Pipoca voltava da casa do Chico ele ficava triste e olhando pelo portão por horas....

O Chico é assim mesmo, um cachorro leal! Muito leal!

Ele mudou muito desde que o conheci; ele era desconfiado e parece que não sabia receber carinho, mas aos poucos, através da troca de confianças ele foi mudando.

Hoje ainda é meio desconfiado, mas não dispensa um chamego!!

Acho que eu nunca tive um cachorro tão fiel quanto ele.

Ele faz muita festa quando voltamos para casa.

Ele sabe quando o Daniel esta chegando. Ele deve escutar o padrão do barulho dos passos e reconhecer, mas outras vezes ele já esta alerta, imóvel olhando para a porta minutos antes de o Daniel aparecer. É incrível.

Mas ele não é só leal a nós, ele é leal a melhor amiga dele: Pipoca!

Ele não tira os olhos dela quando há outro cão por perto, ele chora (chora mesmo) quando é a vez dela de subir na mesa do veterinário e tomar vacinas e faz a maior festa quando ela desce! É bonito de ver!!

Acho que ela deve olhar pra ele e dizer: “mas você é muito criadão com a vó, não foi nada, estou bem!”.

Eu poderia ter 10 Chicos e mesmo assim não teria trabalho.

O Chico aceita com felicidade o que tem.

Se ficar em casa é a bola da vez, para ele está bom, ele dorme, come, pede carinho e fica ao nosso lado.

Se hoje é o dia de andar na plantação, ele corre, cheira, brinca, volta cansadão e feliz.

Não sei explicar bem, mas acho que vejo serenidade no Chico.

Para mim ele parece aquele velhinho samurai, curvado pelo tempo, sábio e teimoso! rs

Aqui em casa as diferenças estão presentes: Pipoca é o oposto do Chico em muitos aspectos.

Uma agitada, outro calmo, uma alta, outro baixo, uma branca, outro preto, uma bagunceira, outro educado, uma dá trabalho o outro não...



E apesar das diferenças de personalidade de nós 4, o respeito faz a coisa dar certo.

Só encontrei o Daniel, que estava na minha frente fazia mais de 2 anos, quando estava disposta a mudar, aprender e respeitar.

E acho que com os cães é assim também: cada um é do seu jeito, mas eles não brigam por comida, por espaço ou por atenção e ao contrário disto eles trocam de vasilha de comida, de osso e de cama sem estresse!

Apesar de serem macho e fêmea e castrados, eu acredito que isto também seja fruto da Amizade!!

E aqui contei um pouco de uma história de um namoro improvável que virou casamento e uniu 4 amigos!

terça-feira, 4 de maio de 2010

O que a gente aprende com eles




Todo dia na minha casa tenho uma bate papo com meu marido sobre nossos dois cães.

Às vezes um comentário bobo, às vezes compartilhando a bronca que dei em um deles, muitas vezes dando bronca no marido porque brigou com eles ... =) mas muitas vezes é contando sobre seus comportamentos.

Hoje enquanto escrevia um email pra uma amiga que me havia perguntado como foi trazer nossos cães para a Europa eu tive a idéia de escrever este post.

Não é fácil trazer os animais para outro país, da mesma forma que mudar de um país pra outro também não é...mas o esforço vale a pena nos dois casos.

Especialmente enquanto estávamos na Alemanha o convívio com os cães foi um dos pontos mais positivos.

Primeiro por que lá estávamos na nossa primeira casa fora do Brasil e segundo que estávamos imersos numa cultura e idioma muito diferentes dos nossos.

Os cães eram o nosso motivo para estar na rua, andando, conhecendo, fazendo exercício, saindo bem cedo pela manha pra subir morro, correr quando estava frio...

Desta forma apesar do pouco conhecimento do idioma, pudemos entrar na cultura e nos relacionar com os donos de outros animais que lotavam os parques ou mesmo com aqueles que se encantavam com a Pipoca pelos seus olhos azuis e com o Chico por ser taaao gracinha! =)

Ter morado em um apartamento com eles não foi fácil, mas por outro lado o dever de estar na rua com eles nos ajudou mais do que poderemos imaginar.

Ser dono de um cachorro feliz não é fácil!

E me refiro a Pipoca, uma linda vira-lata branca, que deve ter um sangue que mistura husky, akita e muitos outros, que tem olhos azuis, grandes orelhas pontudas e uma energia que não acaba quase nunca!

Ela é semi responsável, o que significa que tem certas coisas que ela obedece, mas tem outras que não, jamais, pode até rezar que não adianta!

Ela é ansiosa, bagunceira, muito curiosa e inteligente...

A Pipoca não tem medo e nem vergonha de ser feliz. Quando está nos parques ela corre o mais rápido que pode sem olhar pra trás, dá umas duas voltas assim e volta ao normal.

Hoje levei os dois na plantação aqui perto de casa e foi ai que percebi que deveria ser mais como ela...

Ela corre - com sorriso no rosto - sentindo o vento bater em sua cara! É o que a diverte, então ela não perde tempo, corre mesmo, salta, cheira...

Ela não perde um raio de sol! Por mais que ela seja toda agitada e energética, ela sabe curtir um dia de sol, deita na grama, fecha os olhinhos e fica la, tipo lagartixa....

Ela não é um cão dependente, não fica grudada em mim, mas é carinhosa e boa companheira.

Tenho que admitir que através dela que eu percebi o quão responsáveis temos de ser ao ter um animal em nossas vidas.

Eles são seres super complexos e cheios de sentimentos e por não falarem nossa língua e não se expressarem como nós humanos, é que temos de estar atentos a quem são eles, o que gostam, quais são as suas necessidades, como estão de saúde e etc.

A Pipoca é uma amiga e com ela eu aprendo diariamente um monte de coisas:

- Lute sempre pelo que você deseja – ela fica um pé no saco, não desgruda até que ela tenha seus minutos de correria.

- Não tenha vergonha de ser feliz – quando ela esta fazendo o que gosta se solta mesmo, se diverte! Ela corre, cai, levanta, dá cambalhota (agora é engraçado, mas quando eu a vi correndo feito doida num morro e dando duas cambalhotas no ar, fiquei com medo, achei que ela tivesse se machucado)...

- Seja você mesmo, viva com a sua “cabeça” e não grude nos outros – ela é na dela, as vezes ela é “na dela” demais e não é daquelas chatas melosas!

- Se cair, levanta! (este não preciso relatar! Hehehe)

- E nunca perca uma oportunidade de relaxar ao sol!


O próximo post será sobre o Chico, meu outro caopanheiro!!! =)